Dólar renova recorde e fecha perto de R$ 4,32

O dólar fechou em alta e renovou recorde nominal (sem considerar a inflação) mais uma vez nesta sexta-feira (7), fortalecido também no exterior por conta de dados econômicos positivos dos EUA e repercutindo a desaceleração da inflação brasileira e o surto de coronavírus na China.

A moeda norte-americana encerrou o dia em alta de 0,82%, vendida a R$ 4,3198. Até então, a marca histórica de fechamento era R$ 4,2850, atingida em 31 de janeiro.

Na máxima desta sessão, o dólar marcou R$ 4,3234 – também o maior valor já atingido durante as negociaçõesNo dia anterior, fechou em alta de 1,08%, vendido a R$ 4,2847. No ano, acumula alta de 7,73%.

 

Cenário local

 

O movimento de alta do dólar em relação ao real nesta sexta estava alinhado com a valorização da moeda frente a outras de mercados emergentes. No entanto, mesmo com a cotação nas alturas, os juros futuros se ajustavam em baixa, após a inflação oficial de janeiro ficar abaixo da expectativa do mercado, destaca o Valor Online.

O IPCA de janeiro registrou o menor nível para o mês desde o início do Plano Real, ao subir 0,21%. Isso voltou a trazer questionamentos sobre o espaço para novos cortes na Selic, mesmo depois de o Banco Central declarar que é adequada a interrupção do ciclo de afrouxamento monetário, segundo o Valor Online.

A analista You-Na Park-Heger, do Commerzbank, notou que o real sofreu significativamente nas últimas semanas com especulações de cortes nas taxas de juros.

"Agora que isso aconteceu e o BC anunciou que não há mais reduções na agenda, o real não deve sofrer mais pressão de depreciação por esse lado. No entanto, a taxa de juros historicamente baixa permanece um fator oneroso para o real, especialmente porque o juro real está próximo de zero", disse a analista ao Valor Online.

Assim, o Commerzbank não espera uma recuperação do real por enquanto e diz que a moeda brasileira continua vulnerável a fases de maior aversão a risco.

Além disso, continuavam no foco as preocupações dos investidores com o coronavírus na China e com o impacto do surto sobre a economia global. Ontem, os economistas do J.P. Morgan revisaram a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano de 2% para 1,9%, na esteira da disseminação do novo vírus.

 

Mercado de trabalho dos EUA

 

Os mercados observavam também relatório de emprego do Departamento do Trabalho dos EUA, que apontou a criação de 225 mil postos em janeiro, mas alta do desemprego de 3,5% para 3,6% no mês passado.

Os números ajudam a confirmar a resiliência da economia americana em um momento onde não apenas a zona do euro continua enfraquecida, como também o surto de coronavírus na China pesa sobre os preços das commodities e sobre as moedas de países produtores, ressalta o Valor Online.

"Tínhamos uma visão um pouco menos otimista no início do ano para o dólar, que parecia querer passar a cair contra algumas outras moedas commodities. Aí veio o coronavírus e mudou tudo", disse ao Valor Online José Faria Junior, diretor da WIA Investimentos. "Quando se olha o quadro externo, vemos que segue bastante benigno para o dólar."

O Banco Central ofertou nesta sexta-feira até 13 mil contratos de swap cambial para rolagem do vencimento abril de 2020.

Enjoyed this article? Stay informed by joining our newsletter!

Comments

You must be logged in to post a comment.

About Author

Sou apenas um sonhador